WEB RADIO RGA evangelico blog: Fevereiro 2015

uol

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Eleita nova diretoria da Frente Parlamentar Evangélica

João Campos volta a presidência da bancada evangélica na Câmara Federal



Os deputados evangélicos que fazem parte da Frente Parlamentar Evangélica (FPE) se reuniram nesta terça-feira (24) para eleger a nova diretoria do colegiado. A eleição ocorreu no Plenário Freitas Nobre e o deputado João Campos (PSDB-GO) acabou sendo eleito presidente do colegiado pelos próximos dois anos.

Campos assume o lugar do deputado Paulo Freire (PR-SP), filho do pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), que havia sido eleito em 2013 para assumir o lugar de Campos.

O principal objetivo da Frente Parlamentar Evangélica para os próximos anos será criar um grande congresso evangélico em Brasília reunindo todos os prefeitos, vereadores e deputados evangélicos espalhados pelo país.

O 1º Congresso Nacional de Políticos Evangélicos será coordenado pelo deputado federal Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ), que estreia na vida política como deputado federal recebendo 104.697 votos após trabalhar durante 5 anos como diretor de eventos do pastor Silas Malafaia.

Analistas avaliam que a Frente Parlamentar Evangélica ganhou força nesta legislatura. Principalmente com a eleição do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para a presidência da Câmara.

Fundada em 18 de outubro de 2003 o colegiado é formado por deputados ligados ao segmento evangélico. Uma das maiores vitórias da Bancada foi conseguir fazer com que a presidente Dilma vetasse o projeto conhecido como “Kit Gay” que seria distribuído nas escolas públicas de todo o país.


Conheça a nova diretoria da Frente Parlamentar Evangélica:


Presidente: João Campos (PSDB-GO)
Presidente região norte: Silas Câmara (PSD-AM)
Presidente região sul: Geovania De Sá (PSDB-SC)
Presidente região sudeste: Paulo Freire (PR-SP)
Presidente região centro-oeste: Prof. Vitorio Galle (PSC-MT)
Presidente região nordeste: Jony Marcos (PRB-SE)

Secretários


1º Marcos Rogério (PDT-RO)
2º Jeferson Campos (PSD-SP)
3º Anderson Ferreira (PR-PE)
4º Julia Marinho (PSC-PA)
5º Carlos Gomes (PRB-RS)

Tesouraria


1º Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ)
2º Rosangela Gomes (PRB-RJ)
3º Nilson Capixaba (PTB-RO)

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Chefe de máfia é preso após vídeo de seu batismo cair na internet


O homem fugiu de Roma e foi para a região costeira, onde se converteu e se batizou






Um pastor italiano publicou no Youtube o batismo de um fiel talvez sem saber que ele era procurado pela polícia. Antonio Montella, 42 anos, se converteu e resolveu se batizar, mas tinha um passado de crimes que não foram pagos para a justiça.

Quando o vídeo caiu na internet as autoridades puderam localizar o fugitivo e resolveram prendê-lo. O vídeo foi postado em 2013 mostrando Montella sendo batizado no mar da costa italiana de Pinetamare.

A polícia precisou apenas identificar a localização da igreja onde o pastor ministrava e assim conseguiu encontrar o criminoso para capturá-lo.

Um dos fiéis da igreja não conseguiu acreditar que o novo convertido era foragido da Justiça. “Ele parecia um homem bom, tenho certeza que deve ter havido um erro. Era muito reservado, mas sempre estava na igreja aos fins de semana”, disse Adelmo Iadanza.

Montella foi condenado à prisão por tráfico de drogas, segundo a polícia local ele liderava um grupo de traficantes e agora será enviado para Roma onde cumprirá cinco anos de cadeia. Com informações Época
Assista:

Linha erótica para evangélicos tem vibrador líquido e gel ‘virgem de novo’

Conquistar o direito de sentir prazer sexual – dentro do casamento entre homem e mulher, é claro – é o novo desafio da vanguarda evangélica após o abandono do modelo coque/saia e a criação do funk gospel. Para João Ribeiro e Lídia Ribeiro, membros da Congregação Cristã, uma das mais tradicionais do País, isso significa mais: ter um espaço nas prateleiras dos sexshops para produtos evangélicos. Eles apostam suas fichas na criação de uma linha voltada exclusivamente para o público religioso.

A procura de itens eróticos para apimentar a relação não é novidade no meio gospel. O iG mostrou que óleos de massagens e vibradores líquidos estão entre os produtos mais procurados pelos fiéis em sexshops. Mas o uso ainda é debatido dentro das igrejas. Para superar o tradicionalismo, os empresários tratam a nova linha, batizada In Heaven, como “novo segredo de um casamento feliz”. Os produtos serão lançados na 22ª Erótika Fair, principal feira do mercado erótico, realizada em São Paulo, entre 6 e 8 de março.

Casal Lídia Ribeiro e João Ribeiro, membros da Congregação Cristã e criadores da linha In Heaven


“O nosso stand [da feira] será dividido entre céu e inferno”, brinca Ribeiro, já que a linha dividirá espaço com produtos inspirados na trilogia “50 Tons de Cinza”, que explora o sadomasoquismo e promete ser um dos temas mais explorados no evento.
Evangélicos e sexo: “Deus não se importa com o que o casal faz entre 4 paredes”

O rótulo discreto em branco com uma pomba dourada, clássico símbolo cristão, dá certo tom divino aos quatro primeiros produtos da In Heaven (No céu, em inglês). São eles: Pure (adstringente, que promove a sensação “virgem de novo”), Vibe (vibrador líquido), Mais Prazer (excitante feminino) e Mais Tempo (prolongador de ereção).

Ribeiro conta que a inspiração do nome veio da música “Cheek to Cheek”, versão cantada por Ella Fitzgerald, ícone do jazz nos EUA. Ele acredita que a linha terá a mesma função da canção, “resgatando o romantismo entre os casais apaixonados”.
“A ideia principal é que o casal se sinta à vontade para comprar e tenha a certeza de que não está sozinho. Não há motivo para vergonha. Somos 52 milhões de evangélicos no Brasil e não tínhamos uma linha específica”, explica Ribeiro, que ao lado da mulher comanda a sexshop Secret Toys, em Jandira (SP).

Produzidos e distribuídos pela INTT Cosméticos, a linha deve alcançar 20 itens nos próximos três meses. A diretora da marca, Alessandra Seitz, reconhece que apesar de fortes consumidores, os evangélicos não contavam com representação no mercado erótico. “Muitas vezes eles querem o produto, mas não compram porque tem uma algema no rótulo, por exemplo. Promover essas mudanças é uma forma de respeito com o consumidor evangélico”, defende.


Cada bisnaga tem o preço sugerido de R$ 15 e deve estar disponível aos clientes ainda em março. Além da nova roupagem, os produtos contam com cheiro, princípios ativos e gosto mais suaves se comparados aos outros produtos eróticos do mercado. Para Alessandra, que não é evangélica, a nova linha deve incentivar outras empresas a produzirem linhas segmentadas. “Não dá para ignorar a força deles”, justifica.

O lançamento faz parte do Projeto Gospel, uma força-tarefa evangélica realizada pelo casal em parceria com a Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sensual (Abeme). Na feira, o livro Guia Gospel para Sexshops será vendido aos lojistas para promover o surgimento de lojas eróticas especializadas, com atendimento especial a religiosos.


Já nas igrejas evangélicas, os autores do livro planejam percorrer encontros de casais, dar palestras e esclarecer o que a cosmética sensual pode fazer ao casamento. “Vamos discutir sexo e isso será feito de evangélico para evangélico. Não vamos mais ficar fora dessa”, conclui Ribeiro.


Bancada evangélica irá se mobilizar para aprovar projeto anti-aborto, diz João Campos



A Frente Parlamentar Evangélica estaria pretendendo organizar um Congresso em Brasília (DF) para reunir todos os políticos evangélicos com mandato. A intenção é que prefeitos, vereadores, deputados e senadores participem do encontro.

A informação, divulgada pelo jornalista Lauro Jardim, vem à tona após a eleição do novo presidente da Frente Parlamentar Evangélica, deputado João Campos (PSDB-GO).

Campos, que ficou nacionalmente conhecido por ser autor do projeto de lei apelidado como “cura gay”, sucede o assembleiano Paulo Freire (PR-SP).

O polêmico projeto previa a derrubada da proibição do Conselho Federal de Psicologia (CFP) aos profissionais da área de prestarem atendimento a homossexuais que buscassem ajuda para mudar sua orientação sexual. Atualmente, o código do CFP não permite que os psicólogos ofereçam ajuda nesses casos, apenas em situações inversas.

A bancada evangélica – como é conhecida a Frente Parlamentar – conta com 74 deputados, segundo informações do Uol. O projeto de Campos é mobilizar esses parlamentares na luta pela aprovação do Estatuto do Nascituro, projeto que foi apelidado por ativistas pró-aborto de “bolsa-estupro”.

“Se aprovar o Estatuto do Nascituro, acabou o debate sobre o aborto”, disse Campos, que é opositor às propostas de legalização do aborto. O projeto estabelece garantias legais ao bebê em gestação e a embriões congelados, além de oferecer assistência financeira a gestantes que tenham sido vítimas de estupro e que decidam levar sua gravidez adiante ao invés de abortar.

Outra proposta que receberá o empenho da bancada evangélica é a PEC 99/2011, que se aprovada, permitirá que entidades religiosas de âmbito nacional, como por exemplo, a Convenção Batista Brasileira (CBB) ou a Convenção Geral das Assembleias de Deus (CGADB) possam entrar com ações no Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar e pedir declaração de inconstitucionalidade para leis que firam princípios de liberdade de expressão, fé e culto, entre outros casos. A PEC 99/2011 já foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Em discussão no Programa Raul Gil, pastor Marco Feliciano chama Thammy de anta e quase é agredido, diz socialite

O pastor Marco Feliciano (PSC-SP) participou da gravação de um quadro do Programa Raul Gil na última segunda-feira, 23 de fevereiro, e se desentendeu com a atriz Thammy Miranda, uma das entrevistadoras.








Thammy, filha da cantora Gretchen, é homossexual e recentemente fez uma cirurgia de remoção dos seios. Durante uma discussão sobre homossexualidade no quadro “Elas Querem Saber”, Feliciano teria se referido a Thammy como “anta”, o que provocou a ira da atriz.

O relato do “barraco” nos estúdios do SBT foi feito pela socialite Val Marchiori, que integra o elenco de entrevistadoras do quadro “Elas Querem Saber”, ao lado de Penélope e Lydia Sayeg.

“Thammy foi o protagonista da gravação de ontem com o Feliciano. Teve discussão, xingamento, microfone cortado e muita polêmica! Mas também, com Feliciano de um lado, Thammy do outro, e Penélope e eu, só colocando mais lenha na fogueira, só podia dar nisso! A Lydia Sayeg ficava espantada e o Seu Raul tentava só amenizar. Mas no fundo, ele gosta de tudo isso! Hello. Que apresentador não ia gostar? Se teve discussão, foi pelas ideias, nada de baixaria!”, escreveu Val Marchiori em seu blog.

O momento de maior tensão, que quase levou a agressões físicas, foi quando a homossexualidade passou a ser discutida de forma mais aberta: “Feliciano acredita na cura gay, é contra o casamento homossexual, e tudo mais. E Thammy, claro, é contra essas ideias! […] Se quer ficar junto com outro homem, por que não? Se a Thammy quer ficar com outra mulher, porque não? Não dá para entender a cabeça e o preconceito dessas pessoas. Mas ele era nosso convidado e tínhamos que respeitá-lo! Só que o Thammy não tinha paciência para as coisas que ele falava. O Feliciano começava a falar de gay, ele ficava inconformado, e já falava em cima do deputado. O clima foi ficando tenso, até que o deputado chamou o Thammy de anta e ele quase foi pra cima! O Raulzinho, nosso diretor, teve que cortar o microfone dele, e tentar acalmar os ânimos. Mas Thammy não quis saber, disse que se o Feliciano não deixava fazer as perguntas que queria, preferia sair do palco”, relatou a socialite.

Val Marchiori acrescentou que “outro momento tenso foi quando ele [pastor Marco Feliciano] contou que sofria muito preconceito, ele e sua família, por ser de origem pobre, por ser pastor e tudo mais”, e a reação da atriz homossexual foi de satisfação com o relato: “O Thammy, na hora, começou a falar: ‘Bem feito! Tem que sofrer mesmo! Aqui se faz, aqui se paga!’”.

Ao final do programa, Val Marchiori tirou uma foto ao lado do pastor e disse que Feliciano demonstrava incredulidade com o que havia acabado de acontecer: “Ele estava tenso. Ele tremia e acho que estava sem acreditar em tudo que tinha acontecido“.


O pastor ao lado de Val Marchiori
Compartilhar

De acordo com a revista Caras, a assessoria de imprensa do SBT confirmou que a gravação do quadro teve momentos de tensão: “Aconteceu, de fato, um mal-estar entre eles durante a gravação, mas nada muito forte“, limitou-se a dizer a assessoria, sem comentar a necessidade de interrupção da gravação.

Nas redes sociais, Feliciano também confirmou que sua participação no quadro foi tensa: “Gravei ontem o programa Raul Gil que vai ao ar dia 07/03. Participei do quadro ‘Elas Querem Saber’ e foi forte! Curtam, compartilhem e divulguem. Vamos mostrar que nosso povo dá audiência! Abraço a todos”.

Bispo Edir Macedo teria ordenado a nomeação de Andressa Urach como bispa na Igreja Universal

A modelo Andressa Urach deverá ser nomeada bispa na Igreja Universal do Reino de Deus a pedido do fundador da denominação, Edir Macedo.

A informação sobre a nomeação de Andressa como primeira bispa da Universal vem sendo disseminada por blogs mantidos por frequentadoras da denominação, como o Mulheres Sábias, por exemplo.

Andressa se converteu ao Evangelho e foi batizada na Igreja Universal logo após receber alta hospitalar do tratamento a que foi submetida para combater uma infecção em suas pernas devido à injeção de hidrogel para fins estéticos.

Em sua carreira de modelo, Andressa ficou conhecida nacionalmente ao ficar em segundo lugar no concurso Miss Bumbum, e posteriormente, em seu emprego na RedeTV!, por suas aparições seminuas em reportagens.

Contratada pela TV Record após romper o contrato com a RedeTV!, Andressa deverá receber um salário de aproximadamente R$ 20 mil livres de impostos, aproximadamente o dobro do que recebia na emissora concorrente.

Na Igreja Universal, diz-se que a nomeação de Andressa como bispa causará um grande impacto entre os fiéis e também nas redes sociais: “É pra matar o cão de inveja”, teria dito o bispo auxiliar Evaldo Martins. A própria modelo já havia afirmado anteriormente seu desejo de se tornar pastora.

Entre os planos da denominação para a nova bispa, estão um programa de TV – que seria chamado Cristo Salva e Liberta e teria formato de talk-show, com entrevistas de cantores gospel e pregadores – e também a apresentação à exaustão de seu testemunho aos fiéis
.


Na direção da denominação, a opinião é que Andressa não precisa esperar uma maior capacitação bíblica para pregar, porque Jesus, em seu ministério, dizia aos que recebiam milagres de cura que anunciasse a boa nova aos amigos e familiares.

O blog Mulheres Sábias também destacou que, antes de optar pela Igreja Universal, Andressa teria visitado diversas denominações à busca de espaço, como a Assembleia de Deus, Igreja do Evangelho Quadrangular e algumas igrejas Batistas, mas nem sequer foi apresentada.

Thalles chama ambulantes de “bandidos” por venderem modelos pirata de suas camisas; Assista



O cantor Thalles Roberto fez uma queixa pública contra a pirataria de seus produtos e chamou os vendedores ambulantes que vendem as réplicas de suas camisas em seus shows de “bandidos”.

O desabafo aconteceu na última quinta-feira, 19 de fevereiro, em um show na cidade de Ilhabela, litoral norte de São Paulo. O evento atraiu cerca de 20 mil pessoas.

Entre uma música e outra, Thalles aproveitou a pausa para criticar a venda das camisetas com seu nome e logomarca, e afirmou que quem vende produto pirata “é igual traficante”.

A bronca de Thalles com os ambulantes surgiu após o cantor notar que haviam barracas com camisas iguais às que ele vende em sua loja virtual.

Durante o discurso, Thalles disse que uma parte da venda de seus produtos é destinada ao Hospital do Câncer de Passos (MG), cidade onde ele reside com a família.

“As pessoas do hospital do câncer da minha cidade me têm como mantenedor fiel desde quando comecei com o meu ministério […] Aí pessoas copiam o modelo da camiseta e penduram no varal ali”, disse Thalles, apontando para uma área aos fundos do local onde o show era realizado.

Dirigindo-se ao público, Thalles pediu que os fãs não comprassem materiais piratas: “Eu vou fazer um pedido para vocês… Não precisam comprar a camiseta que ajuda o hospital, mas não alimenta vagabundo. Vou dizer… Se me pedisse a licença, eu liberaria e até pediria verba pro hospital, mas faz pior que bandido… Copia e coloca na cara da gente. Isso é bandido pra mim, ladrão!”, concluiu o cantor.
As pessoas que acompanhavam o show o ovacionaram, como pode ser visto no vídeo abaixo:

Deputado Marcelo Aguiar faz representação contra Globo por causa da “Galinha Convertidinha”

O deputado federal Marcelo Aguiar (DEM-SP) reagiu à veiculação das piadas feitas pelos humoristas do programa Tá no Ar, da TV Globo, com a “Galinha Convertidinha”.

Na última segunda-feira, 23 de fevereiro, Aguiar enviou uma representação ao Ministério Público Federal (MPF) pedindo a avaliação de possível crime de intolerância religiosa contra os evangélicos.

O quadro em questão apresentava uma sátira às igrejas evangélicas que mantém programas na televisão, usando a “Galinha Convertidinha” – em alusão ao desenho infantil “Galinha Pintadinha” – para fazer severas críticas às denominações neopentecostais com paródias de cantigas infantis, além de apresentar um cão pastor alemão representando a figura de um líder evangélico.

De acordo com a assessoria de imprensa de Marcelo Aguiar, a representação enviada ao MPF frisa que a “Declaração Universal dos Direitos Humanos determina que a intolerância religiosa — fomentada pelo quadro televisivo aqui questionado —, além de ofender a dignidade da pessoa humana (CF, art. 1o, inciso III), é uma grave violação dos direitos humanos”.

O deputado da bancada evangélica pede que o MPF apure se houve “a incitação do preconceito contra os evangélicos provocado pela ridicularização, em rede nacional, dos seus símbolos e sinais, do seu comportamento perante a sociedade e, ainda, do seu modo de expressar a sua fé em Deus”.Aguiar acrescentou ainda que a piada ultrapassou os limites do humor, e que uma prova disso foram os comentários veiculados por especialistas em televisão sobre o episódio, como por exemplo, o artigo “Globo testa limites com deboche a evangélicos”, escrito pelo jornalista Ricardo Feltrin e publicado no Uol.
assista o video:


terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Protesto contra Cunha comandado por Jean Wyllys reúne apenas 100 pessoas

Deputado do PSOL acusou o presidente da Câmara de criar “cortina de fumaça” para esconder corrupção.

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), ativista gay e um dos principais promotores da agenda LGBT no país, participou de um ato contra o presidente da Câmara, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que reuniu cerca de 100 pessoas.

Nos últimos anos o deputado federal Jean Wyllys tornou-se um dos principais opositores aos projetos cristãos na Câmara dos Deputados e não esconde sua aversão aos temas religiosos e tem lutado em favor da criminalização da opinião contra a homossexualidade e a defesa do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Wyllys acusou Eduardo Cunha de tentar criar uma cortina de fumaça através da pauta “homofóbica” para esconder os supostos crimes de corrupção que o deputado é acusado. “Ele tem uma ficha corrida com mais de uma dezena de processos de corrupção. Investe numa pauta homofóbica para criar uma cortina de fumaça”.

Em seu curto mandato, Cunha já desarquivou ou acelerou a tramitação de quatro projetos que envolvem questões relacionadas ao aborto e as práticas homossexuais. Um deles cria o Dia do Orgulho Heterossexual, uma resposta ao que chama de “estímulo da ideologia gay”.

Cunha justifica o projeto dizendo que é preciso “resguardar direitos e garantias aos heterossexuais de se manifestarem e terem a prerrogativa de se orgulharem do mesmo e não serem discriminados por isso”.

O ato contra o presidente da Câmara teve estrutura precária, inclusive com a falta de sistema de som em boa parte do tempo e ataques do deputado Jean Wyllys a Cunha, que foi acusado de ser “muito esperto”.

“Conseguiu uma aliança suprapartidária que ameaça os direitos individuais e das minorias. Sem falar que é um político que passou incólume por vários escândalos políticos”, disse Wyllys.

O protesto também contou com a participação dos deputados Erika Kokay (PT-DF) e Ivan Valente (PSOL-SP). Kokay que foi eleita com a ajuda do deputado evangélico Ronaldo Fonseca (PROS-DF) é autora, juntamente com Wyllys do Projeto de Lei 5002/2013 que propõe facilitar aos gays todo o processo de mudança de sexo, da troca de nome e documentos até as cirurgias necessárias.

Erika Kokay disse que Cunha usa a Presidência da Casa como palco para a defesa de projetos pessoais e de grupos religiosos. “O Legislativo é um poder plural. As atitudes dele ferem essa pluralidade e a democracia”, disse.

Eduardo Cunha também é favorável do Projeto de Lei 6.583, o Estatuto da Família. O deputado criou uma comissão para acelerar a tramitação do projeto apresentado pelo deputado Anderson Ferreira (PR-PE) com o objetivo de resguardar a família. Com informações Agência Estado